F R A S E

SÃO OS COMUNISTAS OS QUE PENSAM COMO OS CRISTÃOS” - Papa Francisco

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Alagoas sueca

Crônica
Às vezes me pego pensando como deve ser terrível morar nas Alagoas. Sim, refiro-me àquele belo Estado do nordeste do Brasil. Você acredita que apesar de sua pequena dimensão geográfica — é o 2° menor Estado da Federação (aquele país, o Brasil, é uma federação) —, foi considerado o 6° em número de homicídios no ano de 2006? E hoje, naturalmente, deve ser muito, muito pior. É que me escreveu, um amigo desafortunado e desprotegido, que todo dia há no mínimo umas três notícias de assassinato nos jornais da Capital, Maceió. Isto quando não chacinas, mesmo. Pra não falar nos assaltos e seqüestros. Pode crer, quase todos lá já foram — e continuam sendo — assaltados. Rico ou pobre. Em pontos de ônibus, e no próprio, clínicas médicas, supermercados, centros comerciais (shopping centers), academias de ginástica, residências, e por aí vai. Não faltam, tampouco, mortes por encomenda.

Foi mais além: disse-me que, por lá, até no Poder Legislativo do Estado nomes de funcionários fantasmas estariam sendo inseridos na folha de pagamento dos servidores, para depois serem desviados em favor de alguns de seus membros ou de funcionários apadrinhados, o que teria gerado um prejuízo, aos combalidos cofres alagoanos, de mais de mais de 200 milhões de reais. Dinheiro de merenda escolar também teria sido endereçado para contas bancárias de prefeitos, empreiteiros e funcionários de municípios. Despediu-se, melancolicamente, o meu amigo. Mais haveria a contar-me, porém desculpou-se. Preferia deixar para uma outra vez. Escrever sobre as mazelas de sua região abatia-o. Ao final, dessa vez pediu-me para não visitá-lo. Estava zelando, assegurou-me, pela minha integridade física.

Pus-me a refletir, espantado. Fosse como fosse, tratasse-se, mesmo, ou não, aquele Estado do Brasil, de uma região com tantos e tão graves problemas como os que ele desfiou — haveria, mais, parece, tivesse mais fôlego para contá-los —, constatei o homem de sorte que eu era. No meu Estado, coincidentemente também Alagoas — Alagoas sueca, bem entendido —, quase não havia problemas. Pra você ter uma idéia, caro(a) leitor(a), faz seis meses que a Polícia Civil daqui está em greve por melhores condições de trabalho e salários — puro exercício de diletantismo, claro —, mas o nosso azulado Governo nem se dá ao trabalho de resolver o imbróglio. E continuamos, mesmo assim, em absoluta paz, vivendo na mais perfeita harmonia e segurança. Axé!
______________
Publicada no jornal Gazeta de Alagoas, de 20/02/2008

Nenhum comentário: