F R A S E

SÃO OS COMUNISTAS OS QUE PENSAM COMO OS CRISTÃOS” - Papa Francisco

terça-feira, 8 de abril de 2008

PCdoB com Cícero: decisão acertada

Crônica
Quem capitaneia a maior revolução administrativa que esta cidade já viveu, ao menos das últimas décadas? Quem resgatou a auto-estima do alagoano, que voltou a ter orgulho da capital de seu estado? Quem tem demonstrado estar ao lado do maceioense, sem distinção de classes? Exagero, não. O Cícero Almeida — em quem, aliás, lamentavelmente não votei nas últimas eleições — está dando um banho de gestão na capital das Alagoas. E de cachoeira, daqueles do sujeito não conseguir ficar embaixo sem ir beijar o chão, às quedas, pela abundância de água jorrando de cima a baixo. Não é de qualquer chuveirinho, não.

Lembro-me, nas eleições passadas para presidente da república, de uma declaração do prefeito, em rádio local, acerca de qual dos candidatos teria o seu apoio. Respondeu, então, que apoiava e votava no Presidente Lula, no mínimo por coerência e gratidão, já que as obras que vinha realizando em Maceió — e que lhe rendiam tanto reconhecimento da população —, foram possíveis, majoritariamente, graças às verbas federais enviadas ao município. Se não foi bem assim, foi próximo disso, porque o tempo já é distante e a memória é falha. O fato é que ali vislumbrei uma demonstração singela, mas significativa, do (bom) caráter do prefeito.

Pois bem, e não é que no meio de tanta coisa boa que, como sua administração, vem acontecendo por estas bandas — do que é exemplo a erradicação dessa fauna abjeta (guabirus, taturanas...), repelida até por entidades de defesa animal —, eis que recebo a grata notícia de que o Partido Comunista do Brasil, o PCdoB, vai marchar lado a lado com o prefeito nas próximas eleições.

Nada mais lógico, nada mais coerente. A questão ideológica, que se poderia colocar como entrave à sua realização, pelas divergências existentes entre as partes, na verdade não o é. Seja porque provou ser um administrador de escol, seja porque à esquerda (leia-se, PT) o PCdoB não logrou ainda manter uma relação que parecesse justa e equânime (vide a anterior eleição para prefeito, quando preterido o nome de Eduardo Bomfim como “cabeça de chapa”, embora muitos entendessem, à época, traduzir o candidato natural da coligação), seja, finalmente, porque incoerente seria é fazer-se oposição, por oposição.

A humildade e a coragem de reconhecer — e, principalmente, apoiar — em adversário político-ideológico, o bom trabalho desenvolvido em prol da comunidade são qualidades que não parecem faltar ao Partido Comunista do Brasil. Boa lição.
_______________
Também publicada no jornal Gazeta de Alagoas, de 13/04/2008