F R A S E

SÃO OS COMUNISTAS OS QUE PENSAM COMO OS CRISTÃOS” - Papa Francisco

quinta-feira, 26 de junho de 2008

A discrepância


Crônica
Sabe o que mais impressiona no desempenho do atual prefeito? A discrepância. Sim, a discrepância entre o que ele faz pela cidade e o que os seus antecessores fizeram. Como explicá-la? Enquanto no governo municipal anterior, de dois mandatos, construiu-se aquele utilíssimo viaduto do Poço, em cuja relação custo/benefício não parece ter prevalecido este último, o governo de hoje promove uma verdadeira revolução na capital das Alagoas. Exagero, não! Uma revolução, sim senhor! Sua disposição para o trabalho, sua visão política acurada, seu empreendimento saltam aos olhos. O cara faz. Simplesmente. Ah!, teve também o riacho Salgadinho. Despoluído, liberou-se o banho no mar da Avenida. Mas ôxe, foi só por um dia!?

Tá certo que o governo federal não pára de enviar recursos. Verdade, também, que a bancada federal no Congresso Nacional, apesar dos pesares, tem sido atuante nesse sentido. Concordo, igualmente, que o munícipe tem correspondido, pagando o IPTU. Mas os governos municipais anteriores também tinham dinheiro, ora bolas! Também recebiam do governo federal, diacho! Também havia a receita do referido imposto! Por que então a enorme, abissal, diferença entre os seus desempenhos e o de hoje?

Mas o que me impulsionou a escrever estas linhas não foi, por exemplo, o último viaduto inaugurado, da Mangabeiras, embora inegável a sua importância para a cidade. Foi, isto sim, o lançamento da pedra fundamental da futura praça do mirante do Jacintinho, a que tive o prazer de comparecer a convite do vereador Marcelo Malta, aliás, outro político que nos faz continuar acreditando e lutando por dias melhores. Meu caro leitor, confesso: foi tão emocionante quanto simples. O olhar arguto e sensível que teve o Marcelo, para ali, naquela área, enxergar a importância de um projeto como o que lá se instalará, e o seu empenho hercúleo para viabilizá-lo em tempo recorde, aliados ao apoio fundamental do prefeito — que, afinal, é quem o executará — e, naturalmente, à invariável disponibilidade do Ministério dos Esportes do governo do Presidente Lula — de onde virão os recursos — são atos (políticos, por excelência!) que emocionam e nutrem a nossa crença de que um mundo melhor é possível, o nosso sonho de uma Maceió mais moderna e, principalmente, mais humana.

Ah! A discrepância? O porquê dela? Não sei... Mas o fato é que sem ela nada disso estaria hoje acontecendo; os tempos seriam os mesmos. Bendita seja, então. Salve a discrepância!
__________________

Nenhum comentário: