F R A S E

SÃO OS COMUNISTAS OS QUE PENSAM COMO OS CRISTÃOS” - Papa Francisco

domingo, 6 de março de 2016

Sobre (não) ter "juízo"*

https://politicaeverdade.files.wordpress.com
*Tb pub no jornal GAZETA DE ALAGOAS e nos sítios PRAGMATISMO POLÍTICO e PCdoB-AL de 17.02.2016

Há um pensamento que os liberais gostam de usar para desqualificar os comunistas que perseveram, a exemplo, entre nós, dos muito respeitados e populares, como homens, arquiteto e escritor, respectivamente, há pouco falecidos, Niemeyer e Jorge Amado. Cuida-se de pretenso axioma, até cinicamente tolerante: quem não foi comunista até os vinte anos não tem coração; quem o é depois dos trinta não tem juízo. À juventude, assim, seria permitido esse arroubo irresponsável e utópico em que se traduziria o comunismo, desde que, depois, a maturidade o trouxesse à realidade, portanto, ao liberalismo.

Danou-se! Por aí, estaria condenado a ser um desajuizado irremediável. E embora assim não me considere, devo resignar-me, afinal dizem que os loucos não se acreditam loucos... Donde o que eu pense de mim pouco importa aos que, por esse norte, seriam mais ajuizados do que eu.

Já tive a oportunidade de dizer para vocês que gostam de ler meus devaneios — meia dúzia de adoráveis maluquinhas e malucos —, que sempre fui de esquerda, acho que desde quando comecei a refletir sobre a vida e suas brutais injustiças e desigualdades sociais no mundo e na sociedade escravocrata, preconceituosa e (metida a) elitista da minha, entretanto, querida Maceió.

Mas para me dizer algo comunista levou um tempo enorme... Tanto que somente vim a fazê-lo já adulto, completados os tais trinta anos. É que não o fiz num arroubo de juventude, no seu alvorecer gostoso que há muito se perdeu no caminho. Vim a considerar-me, na verdade, depois de muito pensar e ler, compulsiva e quase sofregamente, mas menos do que gostaria e ainda preciso. Quer dizer: sou um irremediável. É que sempre levei muito a sério as afirmações a respeito de qualquer coisa, o que dizer-se a respeito de mim mesmo. Mais ou menos como dizer “eu te amo”. Não se deve dizê-lo sem a convicção do amor sentido.

Há quem diga que a dicotomia esquerda e direita não existe mais. Mas não tenham dúvida: quem o diz é de direita ─ como já disseram que o socialismo e o comunismo acabaram apenas porque finda a então URSS (assunto para outra crônica, talvez). Não passa da mesma conversa tola daqueles que ─ por ignorância ou, pior, como mais comum, por desonestidade intelectual ─ dizem que os governos Lula e Dilma são socialistas. Os governos Lula e Dilma não passam de pretensas e mal acabadas versões do estado do bem-estar social europeu. Nada mais. Mas ainda o sejam, são os melhores já experimentados por este país.

Donde urge sejam defendidos.

Nenhum comentário: