F R A S E

SÃO OS COMUNISTAS OS QUE PENSAM COMO OS CRISTÃOS” - Papa Francisco

quarta-feira, 27 de abril de 2016

REPÚBLICA DE BANANAS*

*Tb pub na GAZETA DE ALAGOAS e nos sítios Pragmatismo Político e PCdoB-AL

Meu país sempre foi o do futuro. Salvo para a espoliação de nossas riquezas e economia pelos mesmos dirigentes e poderosos capitalistas que aplaudiam o nosso futebol e rebolavam ao som dos nossos tamborins, sobre o mais éramos solenemente desconsiderados.

Era o tempo em que um FMI mandava e desmandava em nossa combalida economia, que o pequeno número de turistas brasileiros no exterior era lá ignorado ou desrespeitado, que a imensa maioria do povo brasileiro passava fome. Um tempo em que ministro de estado tirava sapatos para entrar em país “amigo”; em que um vaidoso presidente era um banana subserviente e vendilhão de nossa pátria. Ninguém nos levava a sério.

De 2003 pra cá nos tornamos uma democracia respeitada e pujante economia mundial. Construímos laços de amizade e comércio também com países então solenemente ignorados, com quem criamos um banco, o BRICS. Nossa infra-estrutura, a educação e a saúde sofreram avanços indiscutíveis, apesar das seculares carências ainda presentes. As instituições, pela primeira vez na história, estão livres para combater a corrupção, até seletivamente, contra o próprio governo. Saímos, finalmente, do Mapa da Fome (ONU).

Forças econômicas e políticas poderosas, porém, que jamais aceitaram essas mudanças, aqui representadas pela mídia oligárquica em conluio com setores da justiça e da polícia, promovem, em toda a América Latina, ataques diuturnos contra os respectivos governos.

Utilizando-se de procedimento previsto na Constituição (impeachment), busca-se apear do poder uma presidenta legitimamente eleita, sem a mínima base jurídica. Na linha de frente, parlamentares acusados de corrupção, que bem espelham o perfil dos seus eleitores recém-saídos do armário. Contra a presidenta não há nada. Nada.

Ao mesmo tempo, agora não se houve mais falar em Lava Jato. Como nunca se ouviu falar em Mensalão do PSDB. O falastrão de Curitiba calou-se. Bandidos, e seu chefe, continuam impunes, sob a benção acovardada do STF. Toda a grande imprensa internacional, diferentemente dos pilantras da grande mídia tupiniquim, condena o golpe travestido de impeachment. Esses bandidos eleitos, e os que os aplaudem, ou com eles hipocritamente marcham, submetem o país a uma vergonha que dói n’alma. Todo o respeito ineditamente conquistado esvaiu-se.

Estamos voltando à condição que sempre desejaram os poderosos: a de uma república de bananas. Mas solamente para o povo, seu eterno macaco.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

SIM! SIM! SIM!*

pragmatismopolitico.com.br
*Tb pub na GAZETA DE ALAGOAS e nos sítios PRAGMATISMO POLITICO e PCdoB/AL

Esses últimos tempos têm sido ricos em me produzir náuseas e nojo invencíveis. Não há ânsia de vômito que saia derrotada. Como vitoriosa foi a facção dos corruptos, que assim deve ser considerada porque majoritariamente prenhe desses seres que infestam o país.

Foi um espetáculo de horror. Refiro-me, claro, à sessão de votação da admissibilidade do impeachment, ocorrida na Câmara dos Deputados, cujo pedido fora antes aceito, em ato de desavergonhada vingança contra o PT, pelo impune (e louvado pelos sepulcros caiados) corrupto-mor do país na atualidade. Seria de comédia, não se tratasse, ali, de algo extremamente grave para uma república federativa que se diz democrática e sob o império de sua constituição. O circo de horrores foi de tal monta que me vi agradecendo a Deus, mais de uma vez, por me conferir a capacidade de discernir entre o certo e o errado, de ver onde está a corrupção e os que a enfrentam, onde o discurso é hipócrita, cínico e covarde, e onde o é justo, equilibrado e corajoso. Vi-me agradecendo a Deus por me recusar a comportar-me como gado, que segue a boiada, ou como folha ao vento, ou mesmo como m... n’água corredeira.

O que se viu, ressalvados os poucos dos 367 que eram “apenas” homicidas da democracia e do estado democrático de direito, foi um desfile prenhe de hipócritas, estelionatários, corruptos, sonegadores, torturador, fundamentalistas religiosos, fascistas, racistas, homofóbicos, misóginos e assassinos. Eleitos. Donde representam seus iguais. À flor da pele, entretanto, hipócritas que eram, via-se maridos, pais, avós e filhos exemplares e apaixonados. As famílias de boa parte dos cínicos foram tão invocadas como justificativa dos votos pusilânimes, que fiquei desconfiado de que Dilma lhes fizera algum mal.

Aí no dia seguinte, logo pela manhã daquela noite insone, deparei-me com um fato que, apesar de singular, provavelmente é pista segura de que a presidenta fez-lhes mal, mesmo. A deputada Raquel Muniz, aquela que elogiou a gestão do seu marido também querido, o prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz, e terminou a sua declaração de voto CONTRA A CORRUPÇÃO e com exaltados SIM! SIM! SIM!, acordou de seu berço esplêndido com a Polícia Federal cumprindo mandado de prisão exatamente contra seu cônjuge varão. É preciso, mesmo, tirar essa Dilma. Os bandidos precisam de sossego.

Enquanto isto, os arautos da moralidade e da ética comemoravam com suas panelas e camisas verde-amarelas da CBF o resultado propiciado por seus 367 heróis.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Prisão para Lula e Dilma!*

*Tb pub na GAZETA DE ALAGOAS e nos sitio Pragmatismo Político

Lula está sob investigação. “Descobriram” que é dono de um sítio mequetrefe em Atibaia, um triplex de classe média média no Guarujá, uma canoa de lata e de um pedalinho. Destes últimos há provas (e confissão!). Dos imóveis, nenhuma. Ao contrário. Há fortes indícios de que o sítio foi emprestado por endinheirado amigo de longa data, que para deleite de seus algozes é proprietário de empresa envolvida na Lava Jato. Do apartamento há documentos que provam dele não ser dono. Nada há mais. Queiram ou não os golpistas fascistas que lhe têm ódio superlativo.

Dilma não está. De crime nenhum é acusada. Defendem seus algozes que as famosas “pedaladas fiscais” tipificariam crime de responsabilidade. Eles são golpistas. Muitos, corruptos de carteirinha. Tá explicado.

Em um Estado Democrático de Direito seriam inocentes. Afinal, segundo a Constituição, todos somos inocentes até prova em contrário. Lula e Dilma, como iguais a qualquer brasileiro, mas muito mais importantes para o país do que os que os querem presos e desmoralizados, com mais razão. Mas não mais estamos num EDD. E não estando, devem ser encarcerados. Mas por outras razões. A seguir, algumas:

Em primeiríssimo lugar, porque, segundo a ONU, retiraram o Brasil do Mapa da Fome (em pouco mais de 12 anos), pela primeira vez em sua história (então de 513 anos),. Sim, esses dois criminosos tiraram da miséria cerca de 37 milhões de brasileiros (IPEA). O investimento público per capita em educação, saúde, previdência, seguro desemprego e assistência social cresceu cerca de 80% desde 2003.

Merecem a masmorra, também, porque criaram o Programa Minha Casa Minha Vida: cerca de 3,5 milhões de imóveis contratados; benefício para quase 7 milhões de famílias (um Rio de Janeiro). O maior programa habitacional da história do país e o maior do mundo. Pra variar.

Com a criação do PAC (outro crime abominável), construíram R$ 1,3 trilhão em obras (rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, hidrelétricas e refinarias). As estatais, um câncer para os governos anteriores, investiram cerca de R$ 114 bilhões (até 2003 era de R$ 37 bilhões).

Para mater a saúde da economia, o país conta com mais de 350 bilhões de dólares em reservas internacionais — no último ano de falência, 2002, tinha menos de 38 bilhões.

Bem, esses são alguns dos vários crimes hediondos praticados por esses dois facínoras, que me impulsionam a pedir a sua prisão. A mais longa que os brasileiros, pelo voto, lhes concederem. No Palácio do Planalto.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Impítman fora da lei é golpe*

*Tb pub no jornal GAZETA DE ALAGOAS e nos sítios Pragmatismo Político e PCdoB-AL

Querem o impítman de Dilma e a prisão de Lula. Querem-no, já. Queriam-no, ontem. Vamos entender, em resumo apertadíssimo.

Dilma, reeleita Presidente da República. Às vésperas, a capa da Veja, mentirosa e criminosa como só ela, repercutida pela grande mídia. Reação? Nenhuma. Sem espaço (mídia), tampouco horário político-eleitoral (findo).

Dia seguinte: opositores (grande mídia, oposição e eleitores descontentes) já pedem o impítman. Argumento: está previsto na Constituição. Teratologia. As possibilidades de prisão também estão previstas em lei, mas sói há de falar-se em prisão nas hipóteses lá taxativamente previstas. Analfabetismo político? Espírito antidemocrático? Golpismo? Escancarados. 

“Pedaladas fiscais”. Ferramenta (questionável) de gestão. Não previstas em lei como crime. E em sua essência não o são, mesmo. Qualquer aluno mediano de Direito o sabe.

Pasadena. Não pesa sobre Dilma qualquer imputação de responsabilidade pelo episódio. Ao contrário.

Operação Lava-Jato. Poderia ser um divisor de águas na persecução penal. Desvirtuamento. Inversão de prática legal investigatória. Prende-se, primeiro, para colher prêmio de redução de pena acenada, depois. Tortura disfarçada sob o manto da legitimação judiciária. Importa é colher algo que impute atividade criminosa à presidenta e ao ex-presidente Lula. Vazamentos seletivos. Cumpliciamento com a grande mídia, que repercute e interpreta a bel prazer o material, omitindo o que não robustece sua pretensão.

Condução coercitiva de Lula. Violência. Outra decisão ao arrepio da Constituição. Afronta inaceitável ao Estado Democrático de Direito. Privilégio despótico dos fins (criminalizar e prender Lula) em detrimento dos meios (a lei). Resultado principal: tiro no pé.

Vazamentos de conversas íntimas entre Lula (recém-chegado da condução ilegal e a Presidente da República. Crime, segundo Min. Marco Aurélio (de direita) e outros juristas igualmente respeitados (e igualmente insuspeitos). Conteúdo dos diálogos: estupefação, revolta e ausência absoluta de crimes. Objetivo dos vazamentos: insuflar a opinião pública e municiar os adeptos do MBL. Resultado principal: tiro no pé.

Vergonha para a história: OAB. Mérito para a história: CNBB, IAB, CFPsicologia, Universidades Federais, imprensa internacional, e muitos outros.


Dilma e Lula seguem sem ser sequer réus em processo criminal, o que dizer-se condenados. Impítman: golpe. Ponto.

domingo, 3 de abril de 2016

A corrupção dos cínicos (ou cegos)*


*Tb postado nos sítios PRAGMATISMO POLÍTICO e PCdoB/AL

Fico me perguntando... Não, na verdade não fico, porque não acredito que alguém em sã consciência possa honestamente crer no que vou objetar. Mas, para iniciar o texto, essa pergunta falseada, para construção do raciocínio a tanto se presta. Então, volto: Fico me perguntando se alguém pode realmente crer que a corrupção — que está sendo combatida nos tempos atuais, nos governos Lula e Dilma, inclusive atingindo alguns filiados ao próprio partido desses presidentes (que nem de longe são maioria) — seja obra e graça desses governos.

Ora, Dilma e Lula criaram — sim, foram eles! — os principais instrumentos de combate à corrupção. Isto é fato, não interpretação. A própria lei da delação premiada — despoticamente utilizada como instrumento de tortura— foi sancionada por Dilma. Ambos sempre prestigiaram os mais votados pela corporação dos procuradores federais. Diferentemente do outro, que lhe antecedeu. Isto também é fato. Escolheram os ministros do STF dentro de estrito espírito republicano, tanto e a tal ponto que muitos cinicamente usam isto como argumento para referendar eventuais equívocos da Corte, do que é exemplo o que diz: não reclame, porque foram Lula e Dilma que os escolheram. E aí devo dizer: realmente foram tão republicanos quanto ingênuos. Quem sabia escolher era FHC! Vide Gilmar. E a polícia federal? Tem atuado com tal liberdade ao ponto de reivindicar, pasmem, sua autonomia, como se algum governo pudesse (ou devesse) conferi-la a uma instituição policial.

Mais! O principal órgão de oposição dos governos Lula e Dilma é a chamada grande mídia, que sequer foi incomodada. Deveria! Afinal, é a grande mídia que mente, escamoteia, manipula, falseia, distorce e até crimes pratica. Essa mídia jamais poderia receber um vintém de verbas federais. E esses governos deveriam ter promovido a sua regulação, ao menos nos moldes realizados por dois grandes expoentes do capital: os EUA e o Reino Unido. Nem isto. Mesmo apanhando dia e noite, desde quando Lula foi eleito. Mesmo como vítima de uma campanha diuturna desonesta, primeiro contra a sua reeleição; agora, por seu impeachment.

A polícia federal, sem que o seu inoperante então Ministro da Justiça e chefe sequer soubesse, participou ativamente de grampo realizado (e divulgado) de conversa íntima do ex-presidente com a atual presidente. Entre muitas outras coisas. Essa mesma polícia federal realizou, em todo o governo que lhes antecedeu, menos de meia centena de operações, enquanto agora já passa de 2.500. Que governo corrupto é este que deixa a sua polícia agir com tal liberdade e, pior, com inescondível atuação política contrária?

Então, por favor, não venha dizer que este é o governo da corrupção, porque se fizer estará sendo escancaradamente desonesto. No mínimo, intelectualmente desonesto. Ou corrupto, como vocês gostam de dizer, não raro sem moral para tanto.